De Povos Indígenas no Brasil

News

Povo Yanomami e Ye'kwana repudiam possível visita de Bolsonaro a Terra Indígena

07/05/2021

Fonte: Frente Parlamentar Indígena - http://frenteparlamentarindigena.com.br



Povo Yanomami e Ye'kwana repudiam possível visita de Bolsonaro a Terra Indígena

sexta-feira, 7 de maio de 2021

Em uma live transmitida no dia 29 de abril, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou sua intenção de visitar garimpos em terras indígenas e Pelotões de Fronteira do Exército na Amazônia, também situados em terras indígenas. Em carta divulgada nesta quinta-feira (6), o povo Yanomami e Ye'kwana repudiam uma possível agenda de visita do presidente às suas terras.

"As lideranças e associações da Terra Indígena vêm a público informar que não queremos que Jair Bolsonaro venha conversar dentro do território, nem visitar garimpos. Queremos lembrar ao presidente que esses garimpos são ilegais e vão contra nossos direitos reconhecidos nos artigos 231 e 232 da Constituição Federal de 1988, e que os invasores deveriam ser retirados de todas as terras indígenas do Brasil", diz um trecho da carta.

As lideranças ficaram muito indignadas com essa possibilidade. Os "Povos Yanomamis e Ye'kwana estão muito revoltados, estamos muito bravos, porque nossa terra já está homologada pelo governo federal e, ainda assim, nossos direitos básicos para o bem viver e o dever do Estado brasileiro de proteção e fiscalização contra atividades ilegais não estão sendo respeitados", dizem, ainda, as lideranças.

A Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Direitos dos Povos Indígenas (FPMDDPI) manifesta total incredulidade com a atitude do presidente da República, que se dispôs a visitar os garimpos ilegais que ele, como representante do Estado, deveria combater. Trata-se de mais um ataque aos povos indígenas e seus direitos, garantidos na Constituição Federal.

As lideranças indígenas reforçam, ainda, que as decisões sobre as terras indígenas devem ser tomadas com a participação de todos. "Não aceitamos que o governo consulte só uma pessoa ou associação, nem que faça reuniões de consulta separando comunidades e regiões da nossa terra. Os assuntos que afetam toda a Terra Indígena Yanomami são decididos no Fórum de Lideranças", dizem na carta.

O documento é assinado por Júlio David Magalhães Rodrigues, presidente da Associação Wanasseduume Ye'kwana; Dário Vitório Kopenawa Yanomami, vice-presidente da Hutukara Associação Yanomami; Érica Vilela Figueiredo, da Associação das Mulheres Yanomami Kumirayoma; José Mario Pereira, presidente da Associação Yanomami do Rio Cauaburis e Afluentes; e Marcio Hesina Yanomami, presidente da Hwenama Associação dos Povos Yanomami de Roraima.

Contaminação por mercúrio
O povo Yanomami sofre com o problema da contaminação por mercúrio, causada pelo garimpo ilegal em suas terras.

Em 2016, um estudo da Fiocruz, em parceria com o Instituto Socioambiental (ISA) apontou a presença de altos níveis de mercúrio em habitantes da Terra Indígena Yanomami. O estudo foi realizado nas regiões de Papiú e Waikás, onde residem o povo Yanomami e Ye'kwana.

O caso mais alarmante foi o da comunidade Yanomami de Aracaçá, na região de Waikás, onde 92% do total das amostras apresentaram alto índice de contaminação. Esta comunidade, entre todas as pesquisadas, é a que tem o garimpo mais próximo.

Um levantamento feito pela Hutukara Associação Yanomami (HAY) e a Associação Wanasseduume Ye`kwana (Seduume), publicado na quinta-feira (25) mostra que, de janeiro a dezembro de 2020, houve avanço de 30% do garimpo ilegal na terra indígena Yanomami.

"Vocês sabem que essa situação de garimpos ilegais em terras indígenas tem sido divulgada continuamente nos meios de comunicação colocando não somente a situação de vulnerabilidades sociais, mas também a questão ambiental, a questão do uso de mercúrio incontrolado, o desmatamento, cada vez mais avançando para dentro das terras indígenas", disse a deputada federal Joenia Wapichana (REDE-RR), coordenadora da Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Direitos dos Povos Indígenas em um discurso na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável sobre o tema.

O garimpo já deixou marcas profundas no povo e no território Yanomami. Entre 1986 e 1990, estima-se que 20% da população (1.800 pessoas) morreu em função de doenças e violências causadas por milhares de garimpeiros que invadiram suas terras.


http://frenteparlamentarindigena.com.br/povo-yanomami-e-yekwana-repudiam-possivel-visita-de-bolsonaro-a-terra-indigena/
 

The news items published by the Indigenous Peoples in Brazil site are researched daily from a variety of media outlets and transcribed as presented by their original source. ISA is not responsible for the opinios expressed or errors contained in these texts. Please report any errors in the news items directly to the source