De Povos Indígenas no Brasil
Foto: Vincent Carelli/ISA, 1981

Aikanã

Autodenominação Onde estão Quantos são Família linguística
Aikaná RO
350 (Siasi/Sesai, 2014)
Aikaná

A Terra Indígena em que hoje habita a maioria dos Aikanã não corresponde ao seu território tradicional (veja a lista de "Terras Habitadas" no menu à direita). Foram levados para lá pelo órgão indigenista em 1970, juntamente com outros dois povos indígenas. Dada a pouca fertilidade do solo, tiravam seu sustento da seringa, mas, devido à queda no preço desse produto, hoje encontram sérias dificuldades em sua reprodução física e cultural. Longe de se resignarem com essa situação, os Aikanã atualmente desenvolvem projetos de valorização cultural e procuram manter viva a língua por meio da formação escolar bilíngüe.

Localização e demografia

Aikanã é o nome de um dos cerca de quarenta povos indígenas que habitam o estado de Rondônia, principalmente na conhecida região do Guaporé, nas chamadas ‘terras baixas’ da Amazônia. O Rio Guaporé é o principal divisor entre as fronteiras desse estado com a Bolívia.

Em 2005, a maioria dos Aikanã viviam em três aldeias na Terra Indígena Tubarão-Latundê, a eles designada pelo Incra em 1970. Essa área, de terreno arenoso e corroído pela erosão, fica no sudeste do estado de Rondônia, a cerca de 180 km da cidade de Vilhena e em torno de 100 km da fronteira do Brasil com a Bolívia. Os rios mais próximos são o Chupinguaia e o Pimenta Bueno, mas o acesso a eles é grandemente prejudicado. Há ainda muitos Aikanã vivendo em cidades próximas, principalmente Vilhena.

No primeiro contato feito com os Aikanã por esta pesquisadora, em dezembro de 1988, havia um total de 85 indivíduos. Em 2005, os Aikanã somavam cerca de 180 pessoas.

História

Segundo informações dadas pelos próprios Aikanã, até à época de sua transferência, eles habitavam ricas terras nas proximidades do Tanaru, um dos rios menores da região, a oeste do Rio Pimenta Bueno.

Ao serem removidos para a atual Terra Indígena, foram levados com eles dois outros povos, ambos de número bastante reduzido, os Koazá (também grafado Kwaza), então conhecidos como Arara, e os Latundê. Vale ressaltar que estes eram povos diferentes, cada um trazendo sua cultura e falando sua própria língua. Em histórias de seus antepassados, os Aikanã descrevem os Koazá como ferozes guerreiros, perigosos feiticeiros e seus inimigos ferrenhos.

Segundo o antropólogo e pesquisador Price (1981), em 1940 o Serviço de Proteção aos Índios abriu um posto de atendimento em Igarapé Cascata, um afluente do Pimenta Bueno, e para lá foram levados vários grupos indígenas, dentre eles os Aikanã. Aí, então, sarampo e fortes gripes causaram a morte de um grande número de indivíduos, deixando esses grupos sensivelmente reduzidos. Tais fatos são confirmados pelos Aikanã mais antigos.

Ao que parece, os primeiros contatos mais estreitos de que se tem notícia entre os Aikanã e a população não indígena foram no início dos anos 1940, por meio do engenheiro geólogo Vitor Dequech, a quem tive a oportunidade de conhecer na década de 1990. Com uma equipe preparada para pesquisa de minérios enviada pelo General Rondon, entre 1941 e 1943, Dequech comandou a Expedição Urucumacuan, que percorreu a região em busca de possíveis jazidas de ouro no rio Pimenta Bueno e seus afluentes. Naquele período, manteve freqüentes contatos com os índios da região, inclusive os Aikanã – por ele referidos como “Massacá”, e documentou, com detalhes, todos os contatos e atividades que desenvolveu durante sua viagem. Este contato está registrado em antigos números do Jornal Alto Madeira, publicado naqueles anos em Porto Velho.

Nome

Eles se auto-denominam Aikanã e chamam sua língua pelo mesmo nome. No entanto, são referidos por outros nomes na literatura existente. A referência mais antiga a eles feita com este nome é de Becker-Donner (1955:275-343, apud Cestmír Loukotka, 1968:163) em que os Aikanã são chamados de “Masaca ou Aicana”. Outro registro interessante é de Erland Nordenskiöld (apud Voort 2000), de 1915. De acordo com Voort, este etnógrafo foi o primeiro pesquisador a fotografar e a registrar a primeira lista de palavras da língua dos Aikanã, aos quais ele chamou de ‘Huari’. Outros nomes que este povo recebeu foram Corumbiara, Kasupá, Mundé e, por fim, Tubarão (Rodrigues, 1986:94).

Apesar das palavras Mundé e Mondé serem comumente usadas como nomes próprios masculino entre os Aikanã, eles não atribuem significado especial a este vocábulo. Existe um outro nome, Winzankyi, mencionado pelo ex-cacique Luíz Aikanã, que também se referiria ao povo Aikanã. Porém, não há consenso entre eles sobre tal denominação.

Embora o nome deste povo tenha sido grafado na literatura como ‘Aicana’, ‘Aikana’ ou ‘Aikaná’, a pronúncia dos próprios falantes é com a última vogal nasalizada: ‘Aikanã’.

A respeito das denominações dos Aikanã, observe-se que Huari não deve ser confundido com Wari (ou Orowari), que diz respeito aos Pacaás-novos, da família Txapakura. Veja-se tambem que, apesar da semelhança no registro dos nomes Mundé e Mondé, tais termos não estão aqui associados à família linguística Mondé, do Troco Tupi.

Língua e escola

Existe hoje uma escola em cada uma das três aldeias, mantidas pela prefeitura de Vilhena, com professores Aikanã e não-Aikanã. A Profa. Luzia Aikanã, com a assessoria desta pesquisadora, começou o ensino da língua materna em 1992. Desde então, a professora tem participado de vários encontros pedagógicos direcionados para a educação escolar planejada para os povos indígenas da região de Rondônia.

O Aikanã ainda é uma língua não classificada. Até agora não foi possível determinar seu relacionamento genético com outras línguas indígenas brasileiras, mesmo aquelas faladas pelos vizinhos na região do Guaporé. Todos os Aikanã falam o português e alguns falam o Koazá. Mas existem alguns que só falam o português. Um dado interessante é que em duas aldeias os alunos estão sendo alfabetizados, também, em sua língua materna. No entanto, esta é uma língua ameaçada de extinção.

Os filhos dos casamentos com pessoas que não falam Aikanã tendem a falar a língua nacional, o que constitui um elemento de pressão para o abandono da própria língua. Além disso, aqueles que saem de suas aldeias em busca de melhoria de condições de vida são também obrigados a falar a língua portuguesa.

Uma análise segmental da fonologia desta língua mostra que ela tem dezesseis consoantes e dez vogais, das quais seis são orais e quatro nasais. Dentre as características morfológicas incomuns exibidas pelo Aikanã, destacam-se os classificadores. Estes são morfemas encaixados dentro de uma construção verbal com a finalidade de fornecer informações sobre aspectos semânticos do argumento do verbo, como por exemplo, tamanho, forma, consistência e outras que tais.

Aspectos culturais

Um interessante mito mencionado pelos Aikanã é o do Kiantô. Trata-se de uma grande cobra com as cores do arco-íris. Segundo este mito, assim como existe um reino na Terra com todos os seus habitantes, existe também o reino das águas com seus próprios habitantes, presidido pelo Kiantô.

Outro mito é o do “Dia em que o sol morreu” (ya imeen). Nesse dia, as pessoas que não estiverem em suas próprias casas podem ser atacadas pelos espíritos da floresta. A ‘morte do sol (ya)’ ocorre quando há um eclipse total: ‘o sol morre e o mundo fica todo escuro’.

Atualmente, é extremamente raro algum tipo de celebração entre os Aikanã. Em uma festa que assisti, fizeram chicha, cantaram suas músicas e, em local reservado, escondido das mulheres, os homens tocaram suas músicas em grandes flautas de bambu.

O Aikanã mais antigo do grupo tem mais de 80 anos e produz arcos e flechas tradicionais destinados a várias finalidades. Segundo ele, flecha para alvejar pessoas, flecha para alvejar animais maiores e menores, dentro e fora d’água. Os artesanatos fabricados e vendidos hoje são brincos, pulseiras, colares, bolsas, anéis e alguns objetos de madeira.

Notas sobre as fontes

Os trabalhos mais recentes produzidos sobre o povo e a língua Aikanã constituem duas teses de Doutorado. A primeira, defendida em 2000 por Hein van der Voort, é sobre o povo e a língua Kwaza, mas devido à proximidade geográfica e às relações familiares entre os dois grupos, esta tese apresenta informações substanciais sobre o povo Aikanã e sua história. A segunda tese foi defendida por esta autora em 2002 e trata, mais precisamente, da fonologia e da morfologia da língua Aikanã. É, também, notável o trabalho do engenheiro Vitor Dequech, que gentilmente concedeu ao pesquisador Hein van der Voort e a mim algumas entrevistas. Seu trabalho, com expectativa de publicação, será de grande interesse para todos os estudiosos dos povos indígenas da região do Guaporé e sua história.

Fontes de informação

  • CARLSON, Harvey. Aikana fieldnotes. Berkeley, Biblioteca da Universidade da California, 1984, Manuscrito.
  • _______. Harvey. Aikana phonology. Arquivo da FUNAI, Fundação Nacional do Índio, Vilhena, 1984, Manuscrito.
  • DEQUECH, Victor. “Expedição Urucumacuan, Notas do Diário de Viagem” Alto Madeira, Porto Velho, 1988a, 3-4/07 Caderno 2, pp 1-4.
  • _______. Victor. “Expedição Urucumacuan, Notas do Diário de Viagem” Alto Madeira, Porto Velho, 1988b, 11-12/12, Caderno 3, pp 1-4.
  • _______. Victor. “Expedição Urucumacuan, Notas do Diário de Viagem” Alto Madeira, Porto Velho, 1993a, 30-31/05, Caderno 3, pp 1-6.
  • DERBYSHIRE, Desmond C. Geoffrey K. Pullum (eds). Handbook of Amazonian languages. Mouton de Gruyter, New York, Vols 1-4, 1986-98.
  • HINTON, Leanne (ed). Aikana modules: a class report on the fieldnotes of Harvey Carlson. University of California, Berkeley, 1993.
  • KAUFMAN, Terence. “Language history in South America: what we know and how to know more” in Doris L. Payne (org). Amazonian Linguistics Austin, University of Texas Press, 1990, pp. 13-76.
  • LOUKOTKA, Cestmir. Classification of South American Indian Languages. Latin American Center, University of California, Los Angeles. 1968.
  • PAYNE, Doris L. “Morphological characteristics of lowland South American languages” in Doris L. Payne (org). Amazonian Linguistics. University of Texas Press, Austin, 1990, pp. 213-241.
  • PRICE, P. David. “The Nambiquara linguistic family” in Antrhropological linguistics, v. 20, n. 1, 1978, pp 14-37.
  • _______. “In the path of Polo Noroeste: endangered peoples of Western Brazil” in: Cultural survival, Inc. Occasional Papers, No. 6, 1981, pp. 1-37.
  • RODRIGUES, Aryon D. Línguas ameríndias, in Grande Enciclopédia Delta Larouse, Delta, Rio de Janeiro, 1970, pp.4034-4036
  • _______. Aryon D. Línguas Brasileiras –para o conhecimento das línguas indígenas. Loyola, São Paulo, 1982.
  • _______. “Endangered languages in Brazil”. Symposium on Endangered Languages of South America, Leiden, 1993
  • SEBEOK, Thomas A (ed). Native languages of the Americas. The New York Plenum, vol. 1, 1976, PP 359-425.
  • VASCONCELOS, Ione P. Aspectos da fonología e morfología da língua Aikanã. Tese de Doutorado, Maceió, 2002.
  • VOORT, Hein van der. “Alguns aspectos da língua Koaiá, presentemente denominada Kwaza” in ABRALIN, Boletim da Associação Brasileira de Lingüística: n. 20, 1997 pp. 35-54.
  • _______. Hein van der. A Grammar of Kwaza: a description of an endangered and unclassified indigenous language of Southern Rondonia, Brazil. Tese de Doutorado. Amsterdam, 2000.