De Povos Indígenas no Brasil
Foto: Edir Pina de Barros, 1985

Bakairi

Autodenominação Onde estão Quantos são Família linguística
Kurâ MT
982 (Siasi/Sesai, 2014)
Karib

Antes da abertura dos campos de pouso e rodovias, eram os Bakairi que controlavam o acesso das expedições científicas ao alto Xingu, onde parte deles morava. Hoje vivem todos a sudoeste dessa área, como pescadores e agricultores, sobretudo "mandioqueiros", como os demais Karib.

Nome

Os Bakairi se autodenominam Kurâ, que quer dizer gente, ser humano. Eles se consideram os verdadeiros Kurâ, a humanidade por excelência, devendo os demais ser especificados. Kurâ expressa, no sentido restrito, "nós , os Bakairi", "o que é nosso". O termo Bakairi é para eles de origem desconhecida e encontra-se registrado nas crônicas da história regional desde o século XVIII.

Língua

A língua Bakairi pertence à família Karib. Segundo os estudiosos, ela apresenta elementos comuns às dos Arára e Txikão e outros às dos Nahukwá e Kuikúru. Todos os Bakairi falam a sua língua, assim como o português.

Desde a década de 60, missionários do Summer Institute of Linguistics (S.I.L.) traduzem textos bíblicos para a língua Bakairi. Cartilhas para alfabetização na língua materna foram por eles elaboradas. Esses trabalhos tendem a uniformizar as diferenças internas, que estão por merecer um cuidadoso estudo.

Localização

Vivem no estado de Mato Grosso, nas Terras Indígenas Bakairi e Santana. Em ambas predomina o cerrado.

Santana situa-se no município de Nobres e tem o seu nome emprestado de um afluente do Rio Novo que, desenhando parte dos seus limites, desce em busca do Arinos, tributário do Juruena, afluente do Tapajós.

A Terra Indígena Bakairi, na sua quase totalidade, localiza-se no município de Paranatinga, à margem direita do rio Paranatinga ou Telles Pires, afluente do Tapajós. Uma parte dela situa-se no município de Planalto da Serra, à margem esquerda daquele rio. Nas suas vizinhanças encontram-se o morro do Urubu, do Daniel e parte da Serra Azul.

Os centros urbanos que mais influências exercem na vida dos Bakairi são Nobres, Paranatinga e Cuiabá, a capital do estado.

Demografia

Os Bakairi somavam em 1999 cerca de 950 pessoas, sendo que 898 moram nas Terras Indígenas e estão assim distribuídas: 

Distribuição da população Bakairi (1999)
Município Terra Indígena Grupo Local População
Nobres Santana

Santana

           Nova Canaã
           Boa Esperança
           Quilombo
165
           40
           24
31
Paranatinga Bakairi Painkun
           Kaiahoalo
           Pakuera
           Alto Ramalho
           Painkun
Atuby Aturua
50
           45
           285
           30
           20
180
 Planalto da Serra    Sawâpa  28
 TOTAL 02  11 898
Série histórica da população Bakairi: 1965-1999
Ano Total
1965 261
1968 277
1977 386
1980 414
1983 448
1988 572
1996 651
1999 898

Registram-se casamentos com não-indígenas e os filhos resultantes, se observarem suas regras básicas de sociabilidade, são considerados Bakairi.

Histórico do contato

Foto: Roquette Pinto, 1914
Foto: Roquette Pinto, 1914

O seu berço mítico de origem - o salto Sawâpa - situa-se abaixo da confluência do rio Verde com o Paranatinga. Devido a conflitos internos e pressões de povos indígenas inimigos, fundamentalmente os Kayabí, os Bakairi migraram em três diferentes direções. Uma parcela deslocou-se para as cabeceiras do Arinos; e foi a primeira a ser alcançada por bandeiras, nas primeiras décadas do século XVIII, sendo a partir de então engajados, nas atividades mineradoras. Outra deslocou-se para o alto Paranatinga; e foi envolvida por colonizadores dedicados à pecuária, agricultura e atividades a elas subsidiárias, nas primeiras décadas do século XIX. A terceira, que era a maior parte, tomou o rumo do alto Xingu, perdendo o contato com as outras duas. Os Bakairi das duas primeiras parcelas passaram a ser conhecidos como "mansos" ou "independentes". Posteriormente Karl von den Steinen viria denominá-los de "ocidentais", reservando o qualificativo de "orientais" aos do alto Xingu.

A partir de 1847, os Bakairi do Arinos, também ditos de Santana, passam a freqüentar, com os do alto Paranatinga, a Diretoria Geral de Índios, em Cuiabá, à busca de brindes. Posteriormente, engajaram-se nas atividades extrativistas da borracha, sobretudo os de Santana, indo comercializá-la nessa capital. Os Bakairi de Santana acabaram por trabalhar, compulsoriamente, na extração da borracha, inclusive nas suas próprias terras, para os seringalistas que as ocuparam. Proibidos de falar a sua língua, entre outras violências contra eles praticadas, parcelas desses Bakairi migraram para o Paranatinga, nas décadas de 20 e 60. Mas daí foram expulsos por funcionários do órgão tutor, que alegavam, tal como os seringalistas, que eles roubavam gado. A criação do Posto Indígena Santana, em 1965, não alterou esse quadro. O S.I.L., a partir dessa época, aí se fez presente, intermitentemente, assim como missionários jesuítas. Anos depois os próprios Bakairi expulsaram os invasores de Santana. Somente em 1975 nela foi implantada uma escola.

Foto: Acervo Museu Nacional, 1929
Foto: Acervo Museu Nacional, 1929

Os Bakairi do Paranatinga foram guias, construtores de canoas e intérpretes nas expedições de Steinen - realizadas em 1884 e 1887 - e nas outras que as sucederam. Através delas se restabeleceram as relações entre os Bakairi Orientais e os Ocidentais, na terminologia de Steinen. Antes os Bakairi do alto Xingu e demais povos que aí viviam eram desconhecidos dos brancos.

Em 1920 foi criado o Posto Indígena e foi demarcada a Terra Indígena Bakairi, deixando fora dos seus limites o grupo de Antoninho, famoso guia de Steinen. Tinha-se por objetivo atrair para aí todos os indígenas alto-xinguanos, e conquistar assim terras e mão-de-obra para a colonização. Mas apenas os Bakairi se deslocaram definitivamente para o Paranatinga e três anos depois não se registra mais a sua presença no alto Xingu. Reduzidos por uma depopulação crítica, os transferidos se reorganizaram em vários grupos, às margens do Paranatinga, e foram submetidos ao trabalho compulsório pelos agentes do órgão tutor. Os demais indígenas do alto Xingu visitavam o Posto em busca de "brindes".

Foto: Acervo Museu do Índio, 1922
Foto: Acervo Museu do Índio, 1922

Nesse período de perdas territoriais e depopulação, começaram a atuar entre eles missionários da South American Indian Mission, que só se retiraram na década de 60 por pressão dos Bakairi. Implanta-se também, em 1922, a escola. Vinte anos depois os diversos grupos locais foram aglutinados em um só "aldeamento", ao lado do Posto, pois a mobilidade e a dispersão, essenciais ao seu universo de sociabilidade, foram consideradas um estorvo à educação e aos serviços de saúde. Aqueles que não se submetiam à ordem imposta eram transferidos para outras terras indígenas, sobretudo as dos inimigos. Alguns participaram, compulsoriamente, da "pacificação" de um grupo Xavante, no alto Batovi. Uma parcela desses Xavante migrou para a TI Bakairi, mas em 1974, com uma população de 180 pessoas, que sobrepujava a Bakairi, retirou-se para o rio Culuene.

A década de 80 é marcada por Projetos de Desenvolvimento Comunitário financiados com recursos do Banco Mundial, que introduziram nas duas áreas caminhões e lavoura mecanizada, dentre outras coisas. Na Terra Indígena Bakairi, registra-se, nesse período, a reconquista de uma área de terras que lhe fora subtraída por ocasião de uma segunda demarcação. O acesso desigual aos bens introduzidos resultou na fragmentação do "aldeamento" existente e na constituição dos grupos locais atuais.

Organização social e política

Os Bakairi são ribeirinhos, agricultores e pescadores, cumprindo a caça e a coleta papel complementar. Eles vivem dispersos em diversos grupos, cada qual dominando um território delimitado por rios e riachos e com direito a seus recursos. Em regra, a denominação dessas unidades político-territoriais corresponde aos nomes dos rios ou riachos próximos. Um indivíduo ou uma família é identificada como pertencente ao local em que vive, havendo uma relação entre identidade e territorialidade. Essa é a unidade sociológica mais ampla nessa sociedade: o grupo local.

O grupo local é constituído, em geral, a partir de um grupo de irmãos de ambos os sexos, ou de dois que se casam entre si, sendo liderado por aquele indivíduo que reuniu forças políticas para tanto. É formado por um número variável de grupos domésticos constituídos, na sua maioria, por famílias elementares, ou seja, compostas basicamente por pai, mãe e filhos. Os chefes desses grupos são os esteios que sustentam a ordem política e jurídica, através de um conselho. Cabe ao líder manter o delicado equilíbrio entre eles e representá-los diante de outros grupos locais e dos não-indígenas.

As unidades residenciais são dispostas linearmente, formando ruas, estilo introduzido pelos agentes do órgão tutor. Mas há sempre um local, ao lado da casa do líder, vivido como se fora o centro, onde fazem reuniões e rituais. Em alguns grupos tem-se o kadoêti, a "casa dos homens", na qual se guardam as máscaras rituais.

A família elementar contém em si um forte princípio de autonomia. Ela pode romper com as alianças estabelecidas e ir residir em outro grupo local onde tenha parentes, seja do lado materno ou paterno, de qualquer um dos cônjuges. Os homens recém-casados vivem na casa do sogro - com exceção dos filhos primogênitos de líderes - até o nascimento do primeiro filho, quando podem escolher onde residir, se com os seus parentes ou os da esposa. O sistema de parentesco é bilateral, ou seja, têm igual importância os parentes paternos e maternos. Terminologiacamente pai e irmão do pai são igualados, assim como a mãe e a irmã da mãe. Há termos distintos para irmã do pai e para irmão da mãe.

O casamento une preferencialmente parentes distantes, social e biologicamente. Não se pode pronunciar os nomes dos parentes afins, reais ou potenciais. Os nomes são oriundos dos consangüíneos mortos, os quais só podem ser pronunciados depois de recolocados em circulação. Idealmente são os avós maternos e paternos que nominam a criança. Cada qual resgata, no mínimo, um nome de seus consangüíneos mortos e do mesmo sexo da criança. Uma pessoa herda pelo menos quatro nomes, dois pela linha materna, dois pela paterna. Há indivíduos que acumulam dez nomes, o que lhes confere prestígio. É vedado ao pai e parentes do pai pronunciar os nomes oriundos da linha materna, sendo o inverso igualmente verdadeiro. Além desses nomes, eles possuem outros em português.

Arte, cultura e jogos

Pintura corporal feminina. Desenho: Semimo
Pintura corporal feminina. Desenho: Semimo

A arte Bakairi expressa em todos os artefatos temas que remetem ao mundo espiritual, sobretudo nos trançados, nas pás para virar beiju, nos banquinhos zoomorfos, através de pinturas feitas com jenipapo, urucum e tabatinga, um tipo de barro branco. Esta característica espiritualiza as coisas materiais e materializa as coisas espirituais.

Destacam-se aqui as máscaras, sobretudo as do ritual denominado Iakuigâde, que são de dois tipos: (1) Kwamby, ovais, que são líderes e xamãs e (2) Iakuigâde, retangulares e entalhadas em madeira, representando espíritos tutores relativos ao mundo aquático. Elaboradas pinturas corporais masculinas e femininas - no estilo alto-xinguano - feitas de jenipapo, urucum, tabatinga e resinas vegetais estão associadas aos rituais.

Em termos de cultura material, sobressaem também as redes de dormir, de algodão e de fibras de buriti, confeccionadas em teares verticais.

Quanto aos jogos, destaca-se o futebol, com torneios internos e interétnicos.

Cosmologia

Papa: um dos componentes do ritual Yakuygâde. Desenho: Odil Apacano
Papa: um dos componentes do ritual Yakuygâde. Desenho: Odil Apacano

O cosmos - organizado por Kwamóty e seus netos, Xixi e Nunâ - é concebido em várias camadas que se encontram na linha do horizonte. Existem duas terras, uma côncova e outra convexa, sendo uma o molde negativo da outra, cada qual com seus rios e águas subterrâneas. Contendo as águas subterrâneas da terra de cima existiria uma redoma, um imenso guarda-chuva, cujas bordas são mantidas presas às extremidades desta terra por imensos sapos míticos. Entre essa redoma e esta terra fica o ar necessário à vida. O sol e a lua, onde foram residir Xixi e Nunâ, respectivamente, movimentam-se de tal forma que, quando nesta terra é dia, na outra é noite e vice-versa. Essas camadas são interligadas por caminhos invisíveis que somente os xamãs podem ver e percorrer.

Outrora essas duas terras eram interligadas por um tipo de escada que Kwamóty deixara para que eles, os Bakairi primordiais, pudessem em ambas transitar. Como passaram a fazer "fuxicos" entre si e entre as duas terras - causando rupturas na sociedade em formação - ele a cortou, ocasionando um dilúvio, do qual se salvaram apenas dois pares de irmãos. As duas terras distanciaram-se mais, o sol e a lua se encontraram. O eclipse de sol é tido pelos Bakairi como prenúncio de retorno ao caos.

Kwamóty controlou o caos colocando a referida redoma, mas abandonou-os à própria sorte. Eles passaram a conhecer a dor, a doença, a morte e a luta pela sobrevivência.

A estrutura do universo se define com a morte, pois a terra em que viviam não aceitou que se enterrassem nela os seus mortos. Kwamóty, num derradeiro gesto, inverte a posição das duas terras. Com ela entra em circulação a mais temida das forças cósmicas: os iamyra. Cada pessoa que morre libera dois iamyra: um que sai pelo olho esquerdo, que vai habitar os rios desta terra, onde controla os tutores sobrenaturais das espécies de peixes, de animais aquáticos, de aves ribeirinhas; outro que sai pelo olho direito e vai residir na outra terra, sendo hierarquicamente superior a todos os demais sobrenaturais, pois presidem os ciclos naturais - inclusive as estações do ano - e a ordem cósmica.

São duas estações do ano: kopâme, o "tempo das águas" (meados de setembro a meados de abril) e âdâpygume, o "tempo da seca" (meados de abril a meados de setembro). Há, ainda, duas sub-categorias que denominam kopâme ipery e âdâpygume ipery, respectivamente o "início das águas" e o "início da seca".

Tempo e espaço se relacionam através do ciclo de uma substância vital denominada ekuru. Presente em todos os seres vivos, inanimados e animados, é obtida através de alimentos, fazendo-se presente no sangue. Sem ela o sangue - yunu - coagula, sobrevindo a morte. Tal substância é eliminada através de líquidos, resíduos, secreções e excrementos corporais que, em contato com a terra, é reprocessada pelos vegetais. Na sua forma livre e pura, somente os vegetais a contêm. No intervalo que vai do contato com a terra ao reprocessamento, toda ekuru que é eliminada mantém consigo as propriedades daquele que a expeliu. No caso da pessoa humana, das unhas e cabelos cortados, das fezes, do cuspe "levantam kadopy", que são semelhantes a ela porém sobrenaturais. Seus lugares preferidos são as casas abandonadas, os lugares sombrios. Aparecem aos vivos, assustando-os, o que provoca desmaios e doenças.

Nunitão. Desenho: Odil Apacano
Nunitão. Desenho: Odil Apacano

Os terrenhos kadopy, que são resíduos dos resíduos corporais, têm existência efêmera , ao contrário dos iamyra, que são essência. Infestações de kadopy e de iamyra, poluem o espaço, tornando-o inóspito, insalubre. E esta é uma das razões da sua dispersão e da sua mobilidade. Na estação das chuvas, dada a grande umidade reinante, a ekuru penetra mais rapidamente no solo, que se reabilita.Já na estação da seca, a falta de umidade imprime no ciclo da ekuru uma grande lentidão. Apenas nas margens dos rios e riachos seu ritmo é mais acelerado, o que resulta em um terreno mais fértil, menos poluído, mais adequado à vida.

Assim eles explicam a existência de diferentes domínios espaciais que denominam iduanary e pojianary, "região de mata" e "região de capim", respectivamente. Da mata e dos rios é que eles extraem, fundamentalmente, a ekuru necessária à vida. Os Kurâ-Bakairi só se alimentam de vegetais e de animais vegetarianos ou essencialmente vegetarianos, desprezando os carnívoros.

Nas matas ciliares praticam a agricultura e caçam sempre em grupo. Devido aos perigos a elas associadas, é vedada a presença de pessoas do sexo feminino, antes da terra ser preparada para o plantio. Dentre esses periogos destaca-se Ynhangõnrom, monstruoso sobrenatural, "senhor" das matas, que possui um enorme peito que aperta, jorrando um leite mortal naqueles que a depredam. Ele tem por ajudante Karowi, um pequeno, porém horrendo ser. Nas matas mais fechadas pode-se encontrar os iamyra que nelas buscam abrigo quando surpreendidos nesta terra pelo dia. Nas roças e capoeiras também pode-se encontrá-los, pois sentem saudades dos "parentes", dos lugares onde viveram e trabalharam. O contato com esses sobrenaturais é fonte de desequilíbrios bio-psíquicos e de morte iminente. Pronunciar os nomes dos mortos significa evocá-los, o que deve ser evitado, até que sejam recolocados em circulação. Cada espécie de animal tem o seu "senhor", ser sobrenatural que a tutela e que se volta contra aqueles que cometem excesso. Um ente maléfico, Kilâino, faz os caçadores perderem-se nas matas.Associados ao domínio aquático, existem muitos sobrenaturais. Além dos "senhores" de cada espécie de peixe, de animal aquático e de ave ribeirinha, tem-se pakororo, enorme onça branca e sobrenatural que vira as canoas dos pescadores, bem como poro tapekéim, imenso e monstruoso peixe que pode virar as canoas e engoli-los vivos. Há, ainda, uma legião de seres sobrenaturais com formas humanas, denominados kurâmã.

Dentre os sobrenaturais relacionados a esse domínio, os Bakairi temem mais os iamyra subaquáticos, que podem assumir formas de peixe. Diante de tantos perigos, o domínio aquático é essencialmente masculino.

Mitologia

A mitologia Bakairi é riquissima, apresentando muitos elementos comuns à alto-xinguana. Ela narra a origem do mundo, dos gêmeos demiurgos, dos rios, do dia e da noite, do sol, assim como a transferência de bens que pertenciam ao mundo animal - a mandioca, a rede, dentre eles - para os Bakairi. Os grandes rituais do kado rememoram, através dos cânticos, a parte essencial desse processo, como que recriando o mundo.

Ritual

Kápa. Desenho: Odil Apacano
Kápa. Desenho: Odil Apacano

Na vida cotidiana Bakairi pode-se observar vários rituais que não obedecem propriamente a um calendário, mas as contingências da vida, estando associados sobretudo ao casamento, à doença, à primeira menstruação e à morte, implicando estes últimos em reclusão alimentar e social. Além destes, tem-se um complexo de ritos sagrados e pancomunitários, denominados kado, cuja execução se concentra no tempo da seca. Dentre eles tem-se o Anji Itabienly, o "Batizado do Milho", que marca o início do ano Bakairi e do ciclo da ekuru. Ele é realizado por ocasião da primeira colheita desse cereal, ainda verde, em janeiro ou fevereiro. Em meados de abril, quando se encerra a estação das águas, realizam grandes ritos nos quais se utilizam máscaras rituais - o Kápa e o Iakuigâde - mas nunca simultaneamente. Esses rituais podem atravessar anos, sendo suspensos no tempo das chuvas, permanecendo as máscaras rituais no kadoêti.

Destes dois é o Iakuigâde que possui um nível de elaboração mais sofisticado. São 23 máscaras rituais, cada qual representando o espírito tutor de uma espécie de peixe, de animais aquáticos e de aves ribeirinhas. Por fim tem-se, de tempos em tempos, o sadyry, rito de "furação de orelhas" dos adolescentes do sexo masculino. Tais ritos pancomunitários possuem elementos em comum, como as pinturas corporais femininas e masculinas, feitas com jenipapo e urucum, as caçadas e pescarias coletivas, as comensalidades coletivas. Cada um desses ritos é presidido pelo líder do grupo local que o promove e pelo xamã, no plano espiritual.

Os ritos do kado constituem um tributo aos mortos, que controlam os ciclos naturais, dentre eles o das estações do ano e o da ekuru, substância vital.

Além desses rituais, os Bakairi fazem, anualmente, festas juninas pancomunitárias, igualmente importantes para a sua coesão social.

Xamanismo

Em um mundo tão prenhe de sobrenaturais, fontes de doenças, os xamãs desempenham papel vital. Eles podem penetrar em corpos de animais, dos doentes. Desconhecem barreiras de comunicação: falam a língua dos iamyra, dos animais, das entidades tutoras ou não. Além de atuar no caso de doenças, de perda de bens --que têm o dom de localizar - entre outras coisas, a sua participação nos rituais pancomunitários é imprescindível. Através deles se busca reequilibrar as forças e reconduzir a vida à ordem.

Nota sobre as fontes

Antes de 1884 os Bakairi mereceram, por parte de bandeirantes, exploradores do norte de Mato Grosso e administradores da então província, apenas rápidas referências. Somente a partir das expedições de Karl von den Steinen ao Xingu, em 1884 e 1887, é que adensam-se as informações sobre eles. Destacam-se na sua obra dois livros: O Brasil Central: Expedição de 1884 para a exploração do Xingu (1942) e Entre os Aborígenes do Brasil Central (1940), já clássicas na etnologia sul-americana. Eles contêm preciosas informações sobre os Bakairi Orientais e Ocidentais, sua história, língua, organização social, mitologia, rituais e relações com outros povos indígenas. A estas expedições seguiram-se várias outras, destacando-se as de Max Schmidt, que registrou, dentre outras coisas, importantes dados sobre as migrações dos Bakairi do Xingu para o Paranatinga e as relações que estabeleciam com os regionais, inclusive com os agentes do órgão tutor. Kalervo Oberg e Fernando Altenfelder Silva, que estiveram entre eles em meados do século XX, publicaram artigos sobre organização social e reclusão ritual, respectivamente.

Existem sobre eles cinco estudos monográficos de cunho acadêmico. O primeiro, de Edir Pina de Barros (1977), reúne informações sobre sua história e organização social, suas relações com missionários, agentes do órgão tutor e proprietários rurais da região. À luz desses dados, analisa a questão da identidade e da etnicidade. Essa mesma pesquisadora, em sua tese de doutoramento (1992), apresenta densas informações sobre sua história, cosmologia, organização social, nominação, rituais e xamanismo. Vários artigos seus foram publicados em revistas especializadas. Outra referência é a tese de Debra Sue Picchi (1982), que focaliza o impacto da agricultura mecanizada sobre o sistema tradicional de subsistência, status nutricional e saúde. Para tanto, fatores históricos, culturais e, sobretudo, ecológicos, foram considerados.

Darlene Yaminalo Taukane, membro dessa etnia, escreveu, em sua dissertação de mestrado recentemente publicada, sobre a educação escolar entre os Bakairi do Paranatinga, incluindo as reflexões dos professores indígenas sobre a educação escolar e o lugar da escola em seu projeto de futuro, além de um importante capítulo sobre o processo de socialização na sua sociedade, já publicado sob a forma de artigo. Com relação à língua, tem-se a tese de doutorado de Tânia Conceição Clemente de Souza, sobre discurso e oralidade entre os Bakairi do Paranatinga. Neste aspecto, tem-se o clássico estudo de Capistrano de Abreu realizado a partir de um informante trazido do Paranatinga para o Rio de Janeiro, no último decênio do século XIX. Tem-se, também, os estudos feitos por missionários do Summer Institute os Linguistics, desde a década de 60. Destacam-se aí as traduções de textos bíblicos e cartilhas para alfabetização na língua materna. Sob os seus auspícios os Bakairi vêm produzindo textos em sua própria língua, alguns deles publicados. Os professores Bakairi estão produzindo textos, no âmbito de sua formação para o magistério.

Fontes de informação

  • ABREU, Capistrano de.  Os Bacaeris.  Estudos e Ensaios, Rio de Janeiro : Civilização Brasileira, 3a. Série, 2a. Edição, p. 155-97, 1976.
  • AIAKADE, Alinor et al.  Kâsenomedâdyly 1 e 2 - Estou aprendendo v. 1 e 2.  Cuiabá : SIL, 1993.  100 e 140 p.  (Livro de Apoio na Língua Bakairí).  Circulação restrita.
  • ALAKUAI, Davi et al.  Udodo Kâyntadobyry - Quando eu tive medo da onça.  Cuiabá : SIL, 1995.  62 p.  (Livro de Leitura Bakairí, 6).  Circulação restrita.
  • ALAKUAI, Davi; KURUMA, Jair.  Seko Mugaru Nhemaken-Hohobyry - Quando minha mãe deixou escapar o tatu.  Cuiabá : SIL, 1995.  48 p.  (Livro de Leitura Bakairí, 5).  Circulação restrita.
  • ATAUGULA, Joaquim.  Pyrykâ Xixi Agâ Atobyry - A perdiz e o sol : algumas histórias de nossos antepassados.  Cuiabá : SIL, 1995.  58 p.  (Livro de Leitura Bakairí, 7).  Circulação restrita.
  • BARROS, Edir Pina de.  Os Bakairi.  In: MUSEU-Oficina Kuikare.  Brasília : Fundação Pró-Memória, s.n., p. 4-11, 1989.
  • --------. Os Bakairí.  In: OPAN; CIMI.  Dossiê índios de Mato Grosso.  Cuiabá : Opan ; Cimi, 1987.  p. 78-84.
  • --------.  Os Bakairi : economia e cosmologia.  Rev. de Antropologia, São Paulo : USP, v. 37, p. 257-308, 1994.
  • --------.  Los Bakairi : sus formas cosmológicas de percepción y exploración del ambiente.  Noticias de Antropologia y Arqueologia, Buenos Aires : s.ed., v. 3, n. 30, nov. 1998.
  • --------.  Os Bakairi e o Alto Xingu : uma abordagem histórica.  In: FRANCHETTO, Bruna; HECKENBERGER, Michael (Orgs.).  Os povos do Alto Xingu.  Rio de Janeiro : UFRJ, 2001.  p.308-34.
  • --------.  História e cosmologia na organização social de um povo Karib : os Bakairi.  São Paulo : USP, 1992.  504 p.  (Tese de Doutorado)
  • --------.  Os Kurâ-Bakairí : cosmologia, sistemas de classificação e alianças matrimoniais.  In: BARROS, Edir Pina de (Org.).  Modelos e processos : ensaios de etnologia indígena.  Cuiabá : EdUFMT, 1998.
  • --------.  Kurâ Bakairí/Kurâ Karaíwa : dois mundos em confronto.  Brasília : UnB, 1977.  145 p.  (Dissertação de Mestrado)
  • --------.  Política indigenista, política indígena e sua relações com a política expansionista do II Império em Mato Grosso.  Rev. de Antropologia, São Paulo : USP, v. 30/32, p. 183-224, 1989.
  • --------.  A reconquista da Pachola.  In: RICARDO, Carlos Alberto (Ed.).  Povos Indígenas no Brasil : 1985/1986.  São Paulo : Cedi, 1987.  p. 359-60.  (Aconteceu Especial, 17)
  • --------.  Socialização indígena.  Revista Universidade, Cuiabá : UFMT, v. 1, n. 2, p. 101-8, mai./ago. 1981.
  • -------- et al.  Laudo histórico-antropológico : Ação de desapropriação indireta - Processo n. 17.624/86-V.  In: MALDI, Denise et al (Orgs.).  Direitos indígenas e antropologia : laudos periciais em Mato Grosso.  Cuiabá : UFMT, 1994.  p. 96-174.
  • CAMP, Elizabeth L. (Comp.).  Adâitobyry Nhegatuhomobyry - As aventuras da vida : contos narrados pelos Bakairí.  Cuiabá : SIL, 1994.  33 p.  (Livro de Leitura Bakairí, 3).  Circulação restrita.
  • -------- (Comp.).  Ânguydo imeom - Os animais.  Cuiabá : SIL, 1994.  26 p.  (Livro de Leitura Bakairí, 2).  Circulação restrita.
  • -------- (Comp.).  Tâdyâhobyry modo - Os acidentes que aconteceram : contos narrados pelos Bakairí.  Cuiabá : SIL, 1995.  50 p.  (Livro de Leitura Bakairí, 4).  Circulação restrita.
  • -------- (Comp.).  Udodo modo - As onças : contos narrados pelos Bakairí.  Cuiabá : SIL, 1995.  69 p (Livro de Leitura Bakairí).  Circulação restrita.
  • --------; LICCARDI, Millicent R. (Comps.). Âsenomedâdaynrim modo xunâry modo - Os contos dos alunos.  Cuiabá : SIL, 1993.  31 p.  (Livro de Leitura Bakairí).  Circulação restrita.
  • -------- (Comps.).  Itainly Iraynâ - Antes de ler.  Cuiabá : SIL, 1992.  54 p.  (Pré-Leitura Bakairí).  Circulação restrita.
  • --------; comps.  Kytanwem Tâdâsenomedâdo Kâintainhoem - Para nós lermos na nossa língua.  Cuiabá : SIL, 1992.  200 p.  (Cartilha de Transição de Português para Bakairí).  Circulação restrita.
  • GALVÃO, Eduardo.  Diários do Xingu (1947-1967).  In: GONÇALVES, Marco Antônio Teixeira (Org.).  Diários de campo de Eduardo Galvão : Tenetehara, Kaioa e índios do Xingu.  Rio de Janeiro : UFRJ, 1996.  p. 249-381.
  • LICCARDI, Millicent R.  Formulário dos vocabulários padrões para estudos comparativos preliminares nas línguas indígenas brasileiras (língua bakairí).  Brasília : SIL, 1991.  29 p.  (Arquivo Lingüístico)
  • OBERG, Kalervo.  The Bacairi of Northern of Mato Grosso.  Southwesten Journal of Anthropology, s.l. : s.ed., v. 4, n. 3, p. 305-19, 1948.
  • PETRULLO, M. Vincent.  Primitives peoples of Mato Grosso, Brazil.  Museum Journal, s.l. : s.ed., n. 2, p. 83-173, 1932.
  • PICCHI, Debra S.  The Bakairi indians of Brazil : politics, ecology, and change.  s.l. : Waveland Press, 2000.  217 p.
  • --------.  Energetics modeling in development evaluation : the case of Bakairi indians of Central Brazil.  Gainesville : Univ. of Florida, 1982.  439 p.  (Dissertação de Mestrado)
  • --------.  Impact of an industrial agricultural project on the Bakairi indians of central Brazil.  Human Organization, Washington : Society for Applied Anthropology, v. 50, n. 1, p. 26-38, 1991.
  • --------.  Observations about a Central Brazilian Indigenous Population : the Bakairi.  In:   ADAMS, Kathlen; PRICE JUNIOR, David (Eds.).  The demography of small-scale societies : case studies from lowland South America.  Bennington : Bennington College, 1994.  p.37-46.  (South American Indian Studies, 4)
  • SCHMIDT, Max.  Los Bakairí.  Rev. do Museu Paulista, São Paulo : Museu Paulista, n.s., v. 1, p. 11-58, 1947.
  • --------.  Estudos de etnologia brasileira : peripécias de uma viagem entre 1900 e 1901 - seus resultados etnológicos. v. 2.  São Paulo : Brasiliana, 1942.
  • SILVA, Fernando Altenfelder.  O estado de wanki entre os Bakairí.  In: SCHADEN, Egon.  Leituras de etnologia brasileira.  São Paulo : Companhia Editora Nacional, 1976.  p. 225-35.
  • --------.  O mundo mágico dos Bacairis.  In: COELHO, Vera Penteado (Org.).  Karl von den Steinen : um século de antropologia no Xingu.  São Paulo : Edusp/Fapesp, 1993.  p. 347-73.
  • SOUZA, Tânia Conceição Clemente de.  The case of consonantal harmony in bakairi language (Carib).  Delta., São Paulo : Educ, v. 7, n. 1, p. 295-332, 1991.
  • --------.  Discurso e oralidade : um estudo em língua indígena.  Campinas : Unicamp, 1994.  398 p.  (Tese de Doutorado)
  • --------.  Perspectivas de análise do discurso em uma língua indígena : o Bakairi (Carib).  In: ORLANDI, E. P. (org).  Discurso indígena : a materialidade da língua e o movimento da identidade.  Campinas : Unicamp, 1991.  p. 9-44.
  • --------.  A sintaxe de uma língua ergativa : o Bakairi.  Revista Latinoamericana de Estudios Etnolinguísticos, Lima, v.8, 1994.
  • --------.  O traço sonoro em Bakairi.  In: WETZELS, Leo (org.).  Estudos fonológicos das línguas indígenas brasileiras.  Rio de Janeiro : UFRJ, 1995.  p. 29-52.
  • STEINEN, Karl von den.  O Brasil Central : expedição de 1884 para a exploração do Xingu.  São Paulo : Companhia Ed.  Brasiliana, 1942.  (Série Extra, 3).
  • --------.  Die Bakairi-Sprache.  Leipzig, 1892.
  • --------.  Entre os aborígenes do Brasil Central.  Rev. do Arquivo, São Paulo : Departamento de Cultura, sep. n. 34 e 58, 1940.
  • TAUKANE, Darlene Yaminalo.  Avanços e impasses na educação escolar indígena : a experiência Kurâ-Bakairi.  In: VEIGA, Juracilda; SALANOVA, Andres (Orgs.).  Questões de educação escolar indígena : da formação do professor ao projeto de escola.  Brasília : Funai ; Campinas : ALB, 2001.  p. 13-23.
  • --------.  A história da educação escolar entre os Kurâ-Bakairí.  Cuiabá : Governo de Mato Grosso, 1999.  204 p. Originalmente Dissertação de Mestrado defendida na UFMT em 1996 com o título "Educação escolar entre os Kurâ-Bakairí".
  • --------.  A educação Kurâ-Bakairi no contexto tradicional.  In: MATO GROSSO. Secretaria de Estado de Educação. Conselho de Educação Escolar Indígena de Mato Grosso. Urucum, jenipapo e giz : educação escolar indígena em debate.  Cuiabá : Entrelinhas, 1997.  p. 109-28.
  • TAUKANE, Estevão Carlos; TAUKANE, Darlene Yaminalo.  Egá kura waunlo xina : veja nosso povo, somos assim.  Brasília : Funai, 1993.  20 p.
  • E aí Bakairí? Dir.: Rinaldo Sérgio Vieira Arruda; Dorothea Passetti.  Vídeo Cor, VHS, 10 min., 1991.  Prod.: Rinaldo Sérgio Vieira Arruda; Dorothea Passetti; Regina Gambini.

VÍDEOS